Ser gente

É simples… aprendi que os aplausos não querem dizer nada. Aprendi que lisonjas não significam nada. Aprendi que status religioso ou de outra natureza é nulidade, vazio. Aprendi enfim, que se eu quero ser discípulo de Jesus de verdade, tenho que me abster dos grandes públicos, da ostentação.

Cansei deste papo do tipo “somos os caras”. Cansei da pretensão doentia da afirmação de poder de que “estamos em um movimento revolucionário”, chega de triunfalismo!

Meus triunfos verdadeiros não são públicos. Envolvem questões simples. Como por exemplo superar meu egoísmo de não querer ajudar minha esposa na cozinha quando a preguiça tenta me seduzir. Minhas guerras não envolvem “batalhas espirituais imaginárias” de principados e potestades e “atos proféticos” mobilizadores. A coisa é mais simples, ou melhor, mais complexa, envolve compreender Cristo, me alimentar de sua carne e sangue, para vencer a tentação da hipocrisia religiosa.

Não, provavelmente, vocês não me verão envolvido nas grandes mobilizações do mundo gospel, tão pouco, sendo chamado de apóstolo, rabino, bispo ou coisa do gênero. Mas, espero que escutem que sou um bom marido, um bom pai e principalmente um bom amigo. Se ao menos nestas coisa eu conseguir vencer a grande batalha, tenha-me por satisfeito. Entretanto, se um dia eu tiver que falar pra multidões a respeito de Cristo ou de qualquer outra coisa, quem estará lá não será um grande pregador ou acadêmico, será um homem que aprendeu a ser simplesmente gente.

Não quero ser tratado como artefato religioso, como parte do cenário religioso. Jesus me chamou e pronto, isto basta, isto é tudo. Nunca tive dias tão alegres em minha vida, não há um dia que não acordo e encaro os desafios diários em oração e ações de graças.Certamente se minha rotina não for um culto, o culto nunca se integrará a minha rotina.

Minha oração é que Deus continue travando minhas pretensões carnais, que Ele continue freando minhas megalomanias, meu egoísmo e narcisismo, todos estes ídolos que meu coração persiste em fabricar. 

Eu não quero ser nada além daquilo que Deus deseja que eu seja.

Por Igor Miguel – Cristão reformado, teólogo, pedagogo e mestre em letras (língua hebraica) pela FFLCH/USP. Educador social e coordenador pedagógico da Organização Multidisciplinar de Capacitação e Voluntariado (OMCV) em BH-MG, membro da AKET (Associação Kuyper de Estudos Transdisciplinares) e membro da Igreja Esperança em Belo Horizonte – MG.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s