Somos frutos de nossas escolhas

Graça e paz meus queridos,

Ultimamente ando inspirada para escrever textos que nos levam a reflexões e autoanálise (acho que já perceberam né). E essa postagem de hoje não poderia ser diferente, é claro.

Há um tempo atrás eu li em um outro blog, que o nosso presente é consequência das escolhas que fizemos e fazemos, e que de nada adianta reclamarmos eternamente, mas nunca mudarmos a direção do nosso caminho.

Existem dois tipos de consequências que nossas escolhas podem gerar: as boas e as ruins. Quando são boas, é sinal de que tudo saiu conforme planejávamos, e não há do que se reclamar, e sim continuarmos nessa mesma direção de sucesso. Porém, quando as consequências são ruins, temos a impressão de que o mundo inteiro está desabando sobre nossa cabeça, todos os sentimentos negativos resolveram aflorar ao mesmo tempo e indiscutivelmente achamos que definitivamente a galáxia inteira conspira contra nós.  Mas, quando isso acontece, o que nos resta é pararmos para pensar um pouco e refletir onde, lá no passado, distante ou não, demos o passo errado, e entramos em um caminho sem saída.

E isso serve para todas as áreas de nossa vida e eu posso citar vários exemplos aqui e acredito que muitos de vocês irão se identificar com eles:

  • Aquele rapaz ou aquela moça que eu conheci num momento de fraqueza espiritual e que hoje é uma “pedra no meu sapato”;
  • Aquele curso que eu tive a oportunidade de fazer e que me renderia um emprego razoável, mas que por preguiça eu não fiz;
  • Aquela oferta de emprego em outra cidade que me propuseram, mas eu não queria largar o conforto da minha casa para “ralar” sozinho e com isso perdi a chance de ter uma carreira profissional sólida;
  • Aquela oportunidade que eu tive de ir ao acampamento dos jovens no carnaval passado, e que me ajudaria a fortalecer a minha fé, mas de preguiça eu não fui e hoje estou cada dia mais frio espiritualmente;

Enfim, os exemplos são muitos, e as consequências, as mais dolorosas possíveis.

Se me permitem, vou desabafar um pouquinho com vocês. Estou passando por essa experiência atualmente, na época em que fui prestar o vestibular tive duas alternativas:

  • Mudar de cidade e fazer o curso dos meus sonhos (mas consequentemente eu teria que me desapegar do conforto da minha casa e da companhia dos meus pais);
  • Ou, simplesmente escolher algum curso que tivesse por perto mesmo e ver no que ia dar, mesmo que nenhum dos cursos se encaixassem no meu perfil;

E obviamente eu escolhi a segunda alternativa. E boa parte disso eu atribuo à preguiça de ter que morar sozinha em outra cidade (hoje eu reconheço). E qual a consequência disso? Eu não segui carreira na minha área de formação, afinal de contas, fiz um curso que não era a minha “praia”, e agora estou em um nível de estresse altíssimo tentando entrar no mercado de trabalho, porém o curso que fiz não me dá respaldo algum quando se é apenas bacharelado. Enfim, essa é uma das consequências que sofro hoje por decisões mal tomadas no passado. Existem outras, mas estão numa escala Richter bem menor… kkk

Qual caminho você tem tomado para sua vida?

Qual caminho você tem tomado para sua vida?

Mas enfim, o que quero deixar para vocês hoje é isso, ou melhor, esse conselho.  Jamais se esqueçam que tudo o que plantamos hoje, em todas as áreas da nossa vida, iremos colher no futuro, por isso, não tome nenhuma decisão por impulso ou não deixe de tomar nenhuma decisão importante por preguiça, nós vivemos cada dia de uma vez, mas com a esperança de que teremos longos dias no futuro e carregar uma consequência ruim por anos, creio eu que deve ser o pior dos fardos.

Deus nos tem como filhos, e como todo pai, ele também quer nos ver felizes e por mais que Ele tenha sonhos e planos para nossas vidas, se nós não estivermos com o coração ligado à Ele, Ele não os realizará.

Existe uma coisa chamada livre-arbítrio, que é o poder que cada um de nós temos de tomar nossas próprias decisões e com o tempo, apesar de pouco, eu aprendi que Deus não interfere no nosso livre-arbítrio. Ele tem sonhos para nós, mas se os rejeitamos  e queremos fazer as coisas do nosso jeito, Ele não interfere, mas também não podemos reclamar das consequências, que com toda certeza virão.

Daí você me pergunta: mas como eu posso rejeitar os planos de Deus para mim se eu nem ao menos sei quais são?

E eu te respondo: se quando você vai tomar alguma decisão, você não ora a Deus e pede a Ele sabedoria para fazer o que é o certo, você está rejeitando, se quando você quer seguir por um caminho e não pede a Deus que coloque no seu coração a vontade Dele, você está rejeitando, se mesmo depois de trilhar pelo caminho errado e sofrer as consequências ruins, você ainda assim não pede a Ele ajuda para sair daquele caminho e seguir os planos que Ele tem para você, você está rejeitando. E naquele momento da minha vida, que eu citei a vocês, se eu tivesse buscado de Deus qual era a melhor saída, com toda certeza hoje eu estaria vivendo uma realidade completamente diferente, mas infelizmente eu também rejeitei o querer Dele para mim, e hoje peço perdão sempre.

Mas enfim, a Palavra de Deus nos diz em Efésios 3:20 que “Ele é poderoso para fazer muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos”. Em I Coríntios 2:9 diz que “nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o ama”. E por fim, em Romanos 8:28 diz que “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”. A Bíblia está repleta de passagens que comprovam que, o que Deus tem para nós é infinitamente superior àquilo que nós mesmos almejamos.

Por isso, eu deixo um conselho a você que está prestes a tomar alguma decisão em sua vida ou já tomou e não sabe o que fazer: coloque nas mãos de Deus. “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia Nele e tudo Ele fará”, mais uma vez é a Palavra de Deus nos dizendo

Esteja sempre em sintonia com o Pai e com toda certeza, a sua vida, a minha vida e a nossa vida será verdadeiramente feliz!!!!

Por fim, quero deixar uma frase com vocês que eu retirei do tal blog que citei no começo. A frase não é exatamente assim, mas eu a traduzi do meu jeito, e diz assim:

Se para você, as coisas estão boas, melhore-as. Se estão ruins, mude-as. Melhorar e mudar não são a mesma coisa, lembrem-se sempre disso!!!

Bom, por hoje é só… (me empolguei e escrevi um tantão ein… rs)

Até a próxima!

Fiquem todos na paz!

O que está sendo cantado na igreja realmente é uma adoração a Deus?!

Olá amados por Cristo.

Hoje vim para batermos um papo sobre música.

Ahhhh!!! Quem não gosta de música, não é verdade?!

Mas e as músicas que cantam no louvor da sua igreja, você já parou para pensar nelas?

Será que estamos realmente adorando a Deus ou estamos apenas cantando?

De uns tempos para cá tenho feito uma triste observação sobre a música dita gospel, infelizmente ela está cada vez mais comercial e cada vez menos evangelística e adoradora, não quero tecer nenhuma crítica e nem polemizar nada, mas um exemplo claro disso foi o tal “troféu promessas” que a globo transmitiu há um tempo. Infelizmente não pude assistir, mas vi os comentários, algumas cenas, enfim, quer um evento mais “mundanizado” do que aquele? Aí você vai me dizer: “nossa vey, nada haver, ele estavam levando a palavra de Deus através da música”. Tudo bem, até aí eu concordo com você, mas qual a diferença que aquele evento teve de um festival de música qualquer? Nenhum! Teve o prêmio de melhor cantor, melhor cantora, melhor álbum, melhor isso, melhor aquilo.

Louvor a Deus

Louvor a Deus

E na época eu até escrevi um tópico no facebook fazendo o seguinte questionamento: teve votação para todo tipo de categoria, mas faltou a principal: qual cantor ganhou mais almas para Jesus através das suas músicas? Afinal, se o intuito da música gospel é evangelizar, então queremos ver os resultados, não é verdade?! Mas enfim! O fato é que a música gospel está tão comercial hoje em dia, que muitos “artistas” não se preocupam em colocar conteúdo nas letras de suas músicas. Simplesmente criam uma melodia bacana, da moda, que todo mundo curte ouvir e pronto, fez sucesso é o que interessa, a mensagem que a letra da música transmite é o de menos.

Um exemplo bem claro disso são aquelas músicas de duplo sentido, por exemplo:

Você é tudo para mim,

Eu amo você,

Eu quero sempre estar com você,

Eu te adoro.

Se você perguntar para o compositor, ele vai dizer que compôs a música para Deus. Mas se colocar uma baladinha romântica nela, ela serve muito bem para cantar para o seu namorado ou namorada, porque em momento algum ela fala de Deus, nem ao menos cita o nome de Deus na letra, e música assim, o mundo gospel está cheio.

Jesus é um ser infinitamente superior a nós para que a gente o chame de ‘você’. Chamar um superior de você não é sinônimo de intimidade, é falta de respeito, e é por isso que o chamamos de Senhor, mas se você realmente quer ter intimidade com Ele, chame o de PAI.

Outro exemplo disso são os ritmos, se coloca qualquer letra, põe o nome de Jesus no final e pronto: é música gospel! E os ritmos são os mais diversos: sertanejo, rock’n roll, funk, rap, forró e por aí vai. Tudo bem que, por um lado, utilizar desses ritmos é uma forma de levar a música gospel a vários grupos de pessoas, mas por outro lado, a Bíblia nos manda ser diferentes do mundo, e eu, particularmente, não vejo diferença nenhuma quando escuto um sertanejo cantado por Daniel e Samuel e uma música do Bruno e Marrone, por exemplo. (Me desculpem a sinceridade) mas a música gospel tem que ter personalidade própria, tem que ter uma identidade, assim como a gente escuta um axé e lembra da Claudia Leite, ou escuta um calypso e lembra da Joelma, deveríamos escutar uma música gospel e lembrarmos de Jesus.

Eu já fiz uma observação bem interessante que quero compartilhar com vocês. Vocês já observaram que a música católica tem uma identidade própria? Seja o padre que for ou seja o cantor que for, quando toca na televisão ou no rádio, automaticamente a gente sabe que é uma música católica. Não sei se é o ritmo ou a forma como eles cantam, enfim, não sei. E aí eu te pergunto: Porque com a música gospel também não pode ser assim? O mundo tem que perceber que somos diferentes em tudo, inclusive na música, porque não?! Se a música também é uma forma de dar testemunho, não é verdade?!

Por isso você jovem que faz parte do ministério de louvor, seja criterioso ao escolher as músicas que serão cantadas na sua igreja. E mesmo você que não faz parte do ministério de louvor, se há alguma música cantada em sua igreja que o objetivo não seja a verdadeira adoração a Cristo, converse com o seu pastor ou o dirigente do ministério de louvor.

 Lembre-se que o louvor liberta, restaura, traz alegria, paz, conforto, anuncia a palavra de Deus e acima de tudo, o louvor ganha almas para Cristo. Não escolha a música da moda só porque ela é bonitinha. Escolha música que realmente fale de Jesus, do amor de Jesus por nós, do quanto Ele nos quer como parte do Reino Dele, se ficar na dúvida, converse com o seu pastor, peça para analisar a letra, ele é a melhor pessoa para dizer se tal música convém ou não convém ser cantada dentro da Igreja, que é um templo sagrado e consagrado, lembre-se sempre disso!!!

Bom, por hoje é só, apesar de que esse assunto vai longe se deixar….

Mas em breve eu volto com mais…

Fiquem todos na paz!!!

Casamento: qual o momento certo?

Olá pessoas.

Sei que sou nova aqui no blog (como escritora, claro), mas tenho com um dos meus hobbys, escrever. Em muitas situações da vida o papel e a caneta, ou (em tempos de tecnologia) o Word e o teclado, são meus melhores amigos.

E hoje eu estou aqui, para batermos um papo sobre um assunto que está na cabeça de muitos jovens, tanto mulheres quanto homens, porque não né…. o casamento!

Tenho observado que em tempos de independência, onde se prega muito a libertação do jovem em relação aos pais, a independência financeira e tudo mais, em sentido oposto, têm muitas pessoas se casando muito jovens.

Mas daí eu te pergunto: será que existe uma idade certa? Ou basta o amor bater e pronto, essa é a hora?

Antes de tudo quero deixar bem claro que não sou casada. Tudo bem que estou noiva, mas sem data marcada para casar. Por que? Justamente pelo que vamos falar agora.

O casamento é uma instituição divina. Para quem já leu o livro de Gênesis, sabe do que estou falando, quando Deus disse: “largarás pai e mãe e se unirás a uma mulher, e serão uma só carne!”

Você está preparado para o casamento?

Você está preparado para o casamento?

Mas a pergunta é: quando isso deve ou pode acontecer?

O casamento é algo muito sério, e que deve ser muito bem planejado antes. Hoje em dia vivemos numa sociedade descartável, de relacionamentos descartáveis, onde a ideia principal sobre o casamento, é que se a gente não deu certo, a gente larga. Mas como jovens cristãos que somos, a ideia principal de casamento para nós é que ele é único e para toda vida. É claro que não estamos isentos de “casarmos mal” como se diz por ai, e acabarmos no divórcio, como a gente vê muito dentro das igrejas. Mas o ideal é que a gente lute para que o casamento não acabe.

E é por isso que ele deve ser muito bem planejado pelo casal, não basta estarmos perdidamente apaixonados para nos casar, amor não mata fome.

E algumas coisas básicas e muito importantes devem ser analisadas quando um jovem casal decidem selar o matrimônio. Como por exemplo:

– eu tenho um emprego fixo?

– eu e minha parceira ou meu parceiro recebemos o suficiente para bancar uma casa?

– eu tenho condições de trabalhar o dia inteiro e no final do dia ainda ter que cuidar de uma casa?

E se ambos ainda estudam (colégio, faculdade, etc), acrescente mais um item nessa lista:

– eu vou conseguir trabalhar o dia todo, estudar a noite, cuidar de uma casa e ainda honrar com meus compromissos matrimoniais?

Pois é, é muita coisa para pensar não é mesmo? Mas se a sua resposta foi não, para pelo menos uma dessas alternativas, é hora de dar um pause na paixão e pensar. Não tem problema namorar 2, 3, 4 ou muitos longos anos, desde que saiba namorar, é claro. Até porque, (fugindo um pouquinho do assunto), quando um casal cristão perde o foco que é Deus, o namoro acaba caindo numa zona chamada pecado, todos nós sabemos disso, não é verdade?!

Mas voltando ao que estávamos falando, o problema é precipitar e se arrepender depois. Não conseguir terminar os estudos, ou não suportar o peso da responsabilidade da vida de casado. Ou até mesmo, se casar muito jovem, e depois de um tempo querer aproveitar a vida que perdeu. E é aí que mora o perigo, pois satanás pode aproveitar essas brechas e destruir seu casamento.

casamentointimist

Casamento

Um dos conselhos mais preciosos que já ganhei foi o de minha avó, aliás, são as melhores pessoas que podem nos aconselhar, jamais despreze o conselho de uma pessoa mais velha. Ela já viveu bem mais do que você, então ela tem experiência o suficiente para saber o que está falando.

E o conselho que ela me deu foi o seguinte: termine sua faculdade, arrume um emprego, alcance a sua independência financeira, e o dia em que você perceber que não depende dos seus pais para mais nada alem do amor e do carinho que eles lhe darão sempre, aí sim, você estará pronta para assumir a responsabilidade de cuidar de outra vida.

Porque casamento é isso. A gente deixa de ser o “eu”, para vivermos o “nós”, passamos a viver um em função do outro.

E que isso demore 5, 10 ou 15 anos, mas eu vou esperar. Até porque, hoje em dia está na moda morar com os pais até mais velho… rs.

Então eu deixo esse conselho para você que está namorando, está noivo(a) e estão planejando a vida a dois. Antes de qualquer coisa orem, muito, e busquem a direção de Deus, e depois planejem.

Pensem novamente nas seguintes situações:

– estou estudando? Quero terminar meus estudos?

– estou trabalhando? Quanto eu ganho?

– Qual o padrão de vida que queremos levar depois de casados? Vamos conseguir mantê-lo?

Esse último item é muito importante, ás vezes levamos um padrão de vida até razoável na casa dos nossos pais, e ai achamos ou pelo menos queremos, que depois de casados tenhamos aquele mesmo padrão, como roupas, calçados, comida boa, ou uma empregada doméstica que na casa dos pais tem. No entanto, sabemos que, pelo menos no inicio talvez  o casal não irá ter condições financeiras para tudo isso, afinal são poucos os que entram em um casamento com a bola toda. E ai, como dizem os antigos: a necessidade entra pela porta e o amor sai pela janela.

Ou seja, na primeira dificuldade já vamos querer desistir, e é por isso que devemos analisar cada passo, para que a gente entre no casamento consciente de tudo que pode acontecer. Não que nessas horas não iremos precisar de um empurrãozinho da família, mas daí querer ser sustentado pelo papai ou pela mamãe, já é demais não é não?

Casamento é liberdade, é independência, mas ao mesmo tempo é união, é compromisso, é andar junto, é fidelidade e acima de tudo é Deus entre o nosso amor. Sem Deus é impossível de dar certo!!!

O casamento também é de certa forma um “negócio”, que se não for bem administrado, corre o risco de ir a falência.

Pensem nisso!!!

Bom por hoje é só!!!

Fiquem com Deus e até a próxima!!!