O ônibus

Todos os dias vou e volto de ônibus e, de umas semanas pra cá tenho pensado muito a respeito desse meio de transporte tão usado e tão pouco observado.

Eu estava no terminal esperando o ônibus que me levaria mais perto da minha casa depois de um dia cansativo de trabalho. Tinha todos os motivos pra ficar de mau humor e reclamar da vida, afinal, acordei cedo demais, sai de casa e já tive que enfrentar um calorão esquisito e, depois de um dia de trabalho, ainda teria que enfrentar “aquele monstro” lotado pra chegar em casa.

Em geral, essa é a rotina da maioria das pessoas, acordar cedo, ônibus cheio, trabalhar  dia todo, ônibus cheio e casa e acaba sendo normal escutar muitas pessoas reclamando dessa rotina, principalmente do fato de terem que usar o ônibus como transporte.

Pensando nesta questão de reclamar porque tem que ir ou voltar de ônibus, lembrei do que Paulo escreveu para os Colossenses: E tudo o que fizerdes, seja em palavra ou ação, façam em nome de Jesus, dando graças a Deus…
Fiquei refletindo nisso e em como temos sido ingratos, sim, ingratos. Por pior que seja ter que usar o ônibus como meio de transporte, você ainda tem o ônibus. No Nordeste do nosso país, há pessoas que nem o ônibus, lotado, desconfortável e caro, eles tem.

E, se formos parar pra pensar, todo o nosso mau humor e “raiva” do ônibus, parte de nós mesmos, porque andar de ônibus pode ser uma rotina muito interessante e divertida.
Sabia que, se você sorrir ao invés de reclamar quando te empurram no ônibus, você vai achar graça da situação? Se você der um sorriso pra pessoa que pisar no seu pé de tênis enquanto você está de havaiana, ela vai te olhar de um jeito educado e sentido por ter pisado no seu pé e tomará mais cuidado pra que não aconteça de novo. Ah sim, se você der o seu lugar no ônibus pra alguém mais velho ou mais cansado que você, essa pessoa será muito grata e você verá isso nos olhos dela. Os estudantes são profundamente  agradecidos e admiradores daqueles que se oferecem pra levarem suas mochilas ou pastas.

Mas, acima de toda a gratidão, sorrisos e olhares brilhando que receberá, saiba que você estará cumprindo e contribuindo com algo pra melhorar a sua vida e a dos demais que estará a sua volta. Estará cumprindo com ordenanças bíblicas, por isso, o fato de se sentir alegre e agradecido por tudo, inclusive pelo ônibus lotado, vai, com certeza fazer sua rotina ser muito mais leve.

Sob o clarão da lua

Ele não conseguia se decidir, estava numa luta interior que nem ele mesmo conseguia entender de onde viera. Estava ali, sozinho com a garota que sempre admirara, mas nunca teve coragem sequer de pensar em investir, já que ela era quase perfeita e, pra sua decepção, já tinha alguém em quem pensava a cada amanhecer.

Sabe aquele tipo de garota acessível, simpática, engraçada, divertida, companheira, com uma fé  e devoção mais incrível ainda e de bônus era linda. Aquele sorriso esmagador e os olhos… ah os olhos dela, eram de dar inveja nas estrelas, tamanho era o brilho deles independente da situação.
E ali estava ele, justo ele que se julgava tão comum, tão normal com seus cabelos ondulados, olhos tranquilos e meio sorriso cheio de timidez, era ele quem estava lá com ela, a contemplar as estrelas.
Aquela vontade de puxar conversa, de demonstrar interesse, de saber cada detalhe da vida dela, até o sabor do suco preferido ou a cor que mais gostava já eram informações valiosíssimas para aquele coração que pulsava em ritmo frenético que quase dava pra ouvir. E então falou sobre as estrelas.

Pelo meio sorriso dela, se julgou o maior imbecil de todos, “estrelas? Qual o sentido de conversar sobre estrelas e satélites? Ela vai me achar o maior doido do mundo!”
E então lhe confessa, “Esse é o melhor lugar do mundo pra mim, conheço vários lugares bonitos, várias cidades maravilhosas, mas aqui… nossa, aqui tem o céu mais perfeito, mais apaixonante, mais lindo que eu conheço e é aqui que eu me sinto perfeitamente bem.”
Uma sensação de paz inundou seu coração. Ele falou de estrelas por causa dos olhos dela e, também, porque era uma paixão interna dele, admirar estrelas.

Ela tremeu um pouco por causa do frio e sentiu de leve o roçar do braço dele no seu, foi como uma corrente elétrica passando pelos dois, agora ambos os corações batiam incontrolavelmente e o silêncio reinou entre eles.
Ela pensava no outro enquanto ele pensava nela…por estar com a cabeça longe, pensando no outro que lhe dera esperanças mas, de uma hora pra outra, agiu como se não acontecesse nada, ela não pôde ver as simples demonstrações de carinho e interesse daquele que estava bem ao seu lado, o garoto simples, de olhos misteriosos, meio sorriso no rosto e todo sistemático que tinha um coração enorme que guardava todo um interesse nela.
Enquanto isso, ele fez a única coisa que lhe poderia ajudar; ali, sob a luz da lua e brilho das estrelas, orou pelo coração da garota mais inalcançável que já conhecera.